Guia do corrimento vaginal. Tudo o que você precisa saber sobre corrimento: quais tipos, cores, cheiro, como diagnosticar e tratar

Por: Redação Doutíssima

corrimento vaginalAs membranas mucosas da vagina devem sempre ser úmidas. É por isso que eles produzem secreções continuamente. A quantidade de secreções varia de mulher para mulher. Algumas mulheres produzem mais, outros menos. Em algumas circunstâncias há um aumento natural na quantidade de secreções: por exemplo, durante a ovulação, durante a gravidez, ou sob a influência de desejo sexual. Esta secreção, perfeitamente normal, possui consistência aquosa e não possui cheiro e nem cor.

Nós só vamos falar sobre corrimento vaginal quando estas secreções têm anomalias de cor ou odor, assim como outros sintomas.

Desde o nascimento, a menina, e mais tarde a criança e a adolescente, terão secreções vaginais fisiológicas, sem ter nenhuma relação com alguma doença, mesmo que às vezes essas secreções parecem abundantes.

A vagina é um canal aberto para o exterior, portanto existe um caminho para as bactéria, os fungos e outros organismos infecciosos.

A flora bacteriana comensal de ácido láctico da vagina mantém um ambiente ácido que impede o crescimento de bactérias patogênicas. Mas quando essas defesas naturais se enfraquecem, ou são insuficientes, as infecções pode se desenvolver e o corrimento pode aparecer.

 

Tipos de corrimento vaginal

 

Corrimento marrom líquido ou com um pouco de sangue

Em mulheres na pós-menopausa, as secreções hormonais diminuem, então a capacidade de defesa contra infecções vaginais é enfraquecida. Quando a mucosa vaginal está irritada, a vagina pode ter um pequeno a médio fluxo de sangue, com sensações de coceira e ardor.

Nos corrimentos vaginais em que há muita perda de sangue, também podemos ter um diagnóstico de prolapso uterino, aborto, doença inflamatória pélvica ou possíveis tumores na vagina, no colo do útero ou no endométrio.

 

Corrimento branco-amarelo

Quando o corrimento vaginal é mais espesso ou amarelado, e causa coceira ou ardência na vagina e dor durante a micção, podemos suspeitar de uma doença sexualmente transmissível.

 

Corrimento amarelado, esverdeado ou marrom

Se o corrimento vaginal tem um aspecto purulento e as membranas mucosas da vagina estão avermelhadas e irritadas, o corrimento pode ser diagnosticado como tricomoníase.

Esta doença é frequentemente acompanhada de uma cistite e ela pode tornar as relações sexuais dolorosas.

 

Corrimento acinzentado

O corrimento de cor acinzentada, com uma textura mais espessa, cheiro ruim (semelhante ao cheiro do peixe) que não tem o aspecto purulento, em geral, representa o aparecimento de diferentes bactérias que se proliferam na vagina, o que pode ser um sinal de clamídia, por exemplo. A causa pode ser a falta de higiene adequada.

 

Corrimento branco levemente esverdeado

Quando o corrimento não é muito abundante e tem uma cor esbranquiçada, às vezes inclinando para o verde, normalmente a mucosa vaginal está inchada e muito avermelhada, em alguns casos com um pouco de sangue.

Estes sintomas, que são muitas vezes acompanhadas de comichão, podem ocorrer na gravidez, ou em pacientes com diabetes, ou ainda após o tratamento com penicilina ou outro antibiótico.

Tais sintomas representam a proliferação de um fungo quando as defesas da vagina estão enfraquecidas. Eles podem ser os sintomas de uma candidíase, por exemplo.

 

Quais exames devem ser feitos?

corrimento vaginal

 

Quando os sintomas do corrimento vaginal não são suficientemente claros para que o médico faça o diagnóstico, uma coleta do da secreção vaginal feita em laboratório deverá ser feita para identificar os germes que causam a infecção.

O médico também pode procurar um câncer com o exame de Papanicolaou ou uma doença inflamatória pélvica através de uma ultrassonografia pélvica.

ATENÇÃO: a higiene íntima muita intensa ou muito agressiva destrói a flora normal da vagina que impede infecções.

 

Tratamento para o corrimento vaginal

 

Todo o tratamento ginecológico do corrimento vaginal deve ser feito conforme a causa da doença. Antibióticos podem ser tomados durante 3, 7 ou 14 dias, isso dependerá se o estado da infecção é grave ou não, assim como o tipo de organismo envolvido. Também existe a possibilidade de que o medicamento seja tomado em uma única dose. Em alguns corrimentos, não só a mulher, mas também o seu parceiro sexual devem ser tratados ao mesmo tempo para evitar a reinfecção, é o caso da candidíase, por exemplo.

 

No vídeo abaixo você pode tirar mais dúvidas sobre o corrimento vaginal.

 

Gostou do artigo? Qual é a sua opinião sobre ele? Venha compartilhar suas experiências e tirar suas dúvidas no Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!

 

Saiba mais:

 

Saúde da mulher: corrimento esverdeado. O que pode ser? 

Corrimento com mau cheiro: como tratar?

Corrimento na gravidez: por que acontece e como tratar

Dúvida do leitor: corrimento na gravidez prejudica o bebê? 

Saiba mais sobre a candidíase no homem: sintomas e tratamento

Candidíase: conheça os sintomas e se previna!

Tudo o que você queria saber sobre o sapinho (candidíase oral)

 

 

 

 

 

Tire suas dúvidas no Fórum: