No período da gravidez, é importante manter as consultas em dia e detectar quaisquer alterações na saúde o mais rápido possível. Um transtorno que pode ocorrer durante a gestação, embora raro, é o hipertireoidismo gestacional. Ele afeta cerca de 2% a 3% das mulheres e é mais comum entre as que fazem um tratamento de fertilização.

O ginecologista e obstetra Domingos Mantelli aponta que se trata de uma hiperfunção da glândula tireoide, que pode ocorrer no período da gravidez por conta dos elevados níveis de Beta-hCG, um dos hormônios da gestação.

hipertireoidismo gestacional
Hipertireoidismo gestacional é comum em mulheres que fazem tratamento de fertilidade. Foto: iStock, Getty Images

Conheça os sintomas de hipertireoidismo gestacional

A incidência do hipertireoidismo é mais comum em quem engravidou por fertilização artificial, justamente porque esse tratamento é feito por meio de hormônios, responsáveis por estimular a ovulação. Assim, há maior tendência a um estímulo da parte hormonal, que desencadeia a hiperfunção da glândula tireoide.

Mas, afinal, como detectar os sintomas de um hipertireoidismo gestacional? Nem sempre é fácil. De acordo com Mantelli, eles podem ser muito semelhantes a outros sintomas comuns da gravidez. “Taquicardia, intolerância ao calor e excesso de suor, perda de peso, olhos saltados e ansiedade são alguns deles”, ressalta.

A boa notícia é que, através da realização frequente de exame de sangue, é fácil prevenir e detectar qualquer sinal de hipertireoidismo. Por isso, o acompanhamento médico é fundamental.  “Normalmente, se controlado durante a gestação e não for um caso mais grave, o problema não trará riscos ao bebê”, enfatiza o obstetra.  

Diagnóstico e tratamento

Conforme reforça o ginecologista e obstetra, o diagnóstico é feito por meio de um simples exame de sangue. Quando forem detectados níveis de TSH menores que 0,1 mU/L, acompanhados de níveis elevados de T4 livre ou T3 livre para o período gestacional, é confirmado o diagnóstico.

“Já o tratamento, na maioria das vezes, não se faz necessário no hipertireoidismo em um estágio leve. Já se ele for no estágio moderado a mais grave, aí sim podemos lançar mão de algumas medicações para controlar essa condição na gravidez”, confirma o especialista.

Mantelli reforça ainda que o hipertireoidismo gestacional é uma condição exclusiva da gravidez. “Como é o Beta-HCG que estimula a produção de mais hormônios tireoidianos, normalmente com o cessar da gestação a tireoide tende a voltar ao normal”, conclui.

Um exemplo bem conhecido foi o da atriz Carolina Ferraz. Ela fez o tratamento de fertilidade para engravidar aos 46 anos e acabou desenvolvendo o hipertireoidismo gestacional. Apesar do inchaço, tomou os devidos medicamentos e controlou o problema. Após a gravidez, sua tireoide voltou a funcionar normalmente.

Conseguiu esclarecer todas as suas dúvidas sobre hipertireoidismo gestacional? Gostou do artigo? Deixe um comentário. Também aproveite para conhecer o Fórum de Discussão DoutíssimaClique aqui para se cadastrar!