O parto de gêmeos ainda é um bicho de sete cabeças na vida de mulheres que acabaram de descobrir a gravidez gemular. Entender como o processo funciona é essencial para fazer as decisões corretas e não colocar a saúde dos pequenos em risco.

Diferente do que é comum imaginar, a cesárea não é a primeira opção e deve ser escolhida apenas em casos especiais. A gestação gemular requer os cuidados básicos para que todos os possíveis riscos sejam identificados de maneira precoce.

O pré-natal é essencial para o diagnóstico da diabetes gestacional, pré-eclampsia, doenças cromossômicas e problemas físicos e genéticos. Os exames também podem identificar a presença do vírus HIV na corrente sanguínea do feto.

Parto de gêmeos: qual escolher?

O principal detalhe a ser levado em conta na escolha do método para o parto de gêmeos é a posição dos fetos. O primeiro bebê deve estar com a cabeça para baixo, para que não existam complicações durante o processo. A posição pélvica, quando a criança está com o bumbum para baixo, é perigosa e exige intervenção cirúrgica.

A cesárea também deve ser escolhida em casos de hipertensão arterial, suspeita de descolamento de placenta ou com o risco da transfusão feto-fetal – casos nos quais um bebê pode levar a morte de outro. Os médicos devem estar atentos a todos os detalhes.

A escolha da melhor técnica para o parto de gêmeos é íntima e deve ser discutida com o médico que acompanha a gravidez. Muitas mães preferem a cesárea pelo uso de anestesias, que diminuem as sensações dolorosas. Converse com o especialista e aponte todos os detalhes que influenciam positivamente a sua escolha.

Parto de gêmeos
O pré-natal auxilia no diagnóstico de doenças e contribui para a escolha do melhor método. Foto: iStock, Getty Images

Benefícios e riscos de cada opção

Ainda está na processo de escolha? Confira algumas dicas e situações que devem ser levadas em conta e discutidas com o seu médico:

Parto normal

É o natural e mais recomendado por médicos. Os principais benefícios são os raros casos de infecções, poucas complicações no sistema respiratório do bebê, desenvolvimento de vínculo entre a mãe e a criança, recuperação rápida e o pequeno risco do surgimento de hemorragias durante o processo de impulsão dos bebês.

O único possível problema do parto normal é a ruptura do útero. Essa complicação pode acontecer em mulheres que já passaram por outras cirurgias. Apesar disso, é uma ameaça pequena e que não representa riscos graves.

Cesariana

A cesárea tem hora marcada, é rápida e não causa dor. A mulher não sente as terríveis contrações e pode programar o nascimento do bebê. Esse método ainda pode ser escolhido em casos nos quais a criança ou mãe apresentam risco de morte, já que evita complicações graves.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) apenas indica a cesárea em casos nos quais existem riscos de vida ou de danos para a saúde da criança ou mãe. Os principais problemas apresentados são infecções pós-cirúrgicas, recuperação lenta e cicatrizes.

De acordo com pesquisa realizada pela Universidade de Copenhagen, da Dinamarca, o método ainda é capaz de fragilizar o sistema imunológico da criança. Os bebês nascidos por cesariana apresentam um menor número de células que contribuem para o fortalecimento da imunidade.

E aí, já decidiu como vai ser o seu parto de gêmeos? Conte o ue achou do artigo nos comentários!