O inverno chegou com força e, como já é de costume, trouxe consigo um aumento na incidência de infecções causadas pela circulação de micro-organismos no ar. Como as pessoas permanecem em ambientes fechados, os vírus se proliferam com facilidade e dão origem a uma velha conhecida: a gripe. Mas como identificar essa doença?

Segundo o médico Artur Timerman, membro da Sociedade Brasileira de Infectologia, a gripe tem sintomas bem característicos, que se diferenciam de resfriados por conta da intensidade. Entre as manifestações típicas estão febre, coriza, tosse, dores pelo corpo e mal-estar generalizado. Elas aparecem com força e derrubam o paciente.

Gripe: sintomas e tratamento

As gripes são causadas pelo vírus influenza (A, B e C) e exigem atenção. Diferente dos resfriados, podem causar complicações para o paciente, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), pneumonia, sinusite e otite. Nos casos mais sérios, é capaz até de levar à morte.

A transmissão do vírus pode ocorrer de forma direta, quando uma pessoa infectada espirra ou tosse, expelindo partículas mucoides no interior dos olhos, nariz ou boca de outra pessoa, ou ainda por meio das mãos e da boca, por intermédio de superfícies contaminadas. A proximidade com pessoas infectadas, portanto, deve ser evitada.

Um dos principais sintomas de contaminação pelo vírus influenza é a febre, que costuma ficar em torno ou acima de 38ºC, principalmente nas crianças. O paciente também se sente mais amortecido, com dor de cabeça, dor nos músculos e nas articulações. Geralmente, essas manifestações impedem a pessoa de realizar suas atividades diárias.

O primeiro passo para o tratamento é consultar um médico para a confirmação do diagnóstico. Por conta da agressividade dos sintomas, a recomendação é o repouso. O paciente também deve ingerir grandes quantidades de água e redobrar os cuidados com a higiene e a alimentação.

Gripe
Gripe derruba o paciente. Foto: iStock, Getty Images

Como diferenciar a gripe de outras doenças

Já que no inverno a proliferação de vírus circulantes aumenta, é comum que alguns pacientes fiquem confusos em relação às doenças. Embora os sintomas sejam parecidos, é possível distinguir uma gripe de um resfriado ou pneumonia. Tudo depende da forma como eles se apresentam.

No caso dos resfriados, por exemplo, geralmente não há febre. O paciente apresenta coriza, tosse e espirros, mas ainda consegue ter disposição para seguir com as atividades cotidianas. A diferença está no tipo de vírus transmissor das doenças.

Ao contrário da gripe, resfriados raramente causam complicações. Já a pneumonia é uma infecção que acomete os pulmões e configura um caso mais agravado. Na maioria das vezes, é ocasionada por bactérias, mas também pode ser causada quando o vírus da gripe se manifesta em áreas localizadas da face e desce para o interior dos pulmões.

O quadro, se não tratado, também pode levar à morte. Assim, diante de qualquer sintoma, é importante procurar auxílio médico para um diagnóstico mais assertivo. Sempre que os indícios das doenças vierem acompanhados de febre, é importante ligar o sinal de alerta.

Durante o inverno, redobre também os cuidados preventivos: evite contato próximo com pessoas contaminadas, lave as mãos ou utilize álcool gel com frequência e não fique em ambientes muito aglomerados e com pouca circulação de ar.

E você, já começou a prevenção? Vale ficar de olho e evitar os desconfortos de doenças infecciosas.