Um belo salto alto tem o poder de conferir elegância instantânea à mulher. Isso porque o uso do sapato altera maneira de andar, fazendo bem até mesmo para a autoestima. No entanto, ele também pode ser prejudicial. Ao ficar em cima do salto, a mulher deve levar os ombros para trás e a cabeça fica mais à frente. Isso resulta em uma mudança na angulação da coluna, podendo prejudicar a postura, o pescoço e a lombar.

Entenda como o uso excessivo do salto alto pode fazer mal para a sua saúde. (Foto: Istock)
Entenda como o uso excessivo do salto alto pode fazer mal para a sua saúde. (Foto: Istock)

Outros problemas do uso do salto alto

O ortopedista Dr. Pedro Baches alerta que, além de provocar uma alteração postural, o uso frequente do salto alto pode ocasionar outros problemas. “O uso excessivo de salto pode resultar em uma lesão patelar (problema na patela, osso que protege a articulação do joelho), além de alterações no quadril e na coluna, torções, fraturas, deformidades nos dedos, joanete e até tendinite”, enumera.

De acordo com o ortopedista, os problemas nos pés são até quatro vezes mais frequentes nas mulheres e estima que mais de 3% da população acima de 55 anos pode sofrer com artrite no joelho. “As mulheres têm uma tendência natural a ter os joelhos voltados para dentro, o que contribui para a inclinação da patela, favorecendo o desgaste”, explica.

Para quem não consegue ficar com “os pés no chão”, uma boa notícia é que ficar sem salto algum também pode ser prejudicial. Isso acontece porque os sapatos baixos não absorvem o impacto e com isso sobrecarregam os joelhos e tornozelos. Mas atenção: não vale abusar! Os fisioterapeutas indicam que o ideal é usar até 5 cm para evitar complicações.

O médico lembra ainda que outro fator que deve ser considerado ao usar o salto é o peso, já que há uma carga maior em determinadas partes do corpo. “Quando estamos descalços, o peso do corpo está distribuído por toda estrutura. Ao calçar os sapatos com salto, há um sobrepeso nos dedos do pé e, consequentemente, no joelho”, diz.

Para poder desfilar com o seu salto sem grandes problemas, a dica é apostar em modelos que são adequados à forma do pé e optar por modelos confortáveis e largos. Assim, “é possível distribuir o peso do corpo e estabilizar a planta do pé. Evitar o uso de salto no dia a dia também é essencial”, indica o especialista.

Pode ou não pode?

O ortopedista Dr. Pedro Baches aponta as vantagens e desvantagens de diferentes tipos de salto alto. Confira:

Salto alto e fino – “Favorece o desgaste da cartilagem da patela, pois as mulheres optam por flexionar os joelhos para manter o equilíbrio e pode ocasionar tendinite”.

Salto Anabela e plataforma – “São considerados mais confortáveis e distribuem melhor o peso do corpo, prevenindo danos aos joelhos”.

Salto bico fino – “Propício a desenvolver lesões nos pés, joelhos e coluna, além da deformidade nos dedos”.

Saltos largos e bico quadrado – “Podem estabilizar o tornozelo e evita a deformidade nos dedos”.

Como podem ver, não é preciso sair do salto por completo. Apenas, escolha o modelo ideal para o seu perfil e evite o uso em excesso.

Gosta de moda? Para ficar por dentro do assunto, não deixe de acompanhar o Doutíssima!