Deve-se estar presente na alimentação infantil produtos de alto valor nutricional como os tubérculos, cereais, os grãos (feijão, ervilha, lentilha), carnes (preferencialmente as magras), aves, ovos, leite e derivados, frutas e sempre verduras e legumes da melhor forma possível. Como na infância estes alimentos não são muito palatáveis, é fundamental que eles sempre sejam preparados com criatividade ou em combinações com outros alimentos de melhor aceitação.

A alimentação infantil é um tema que merece cuidado especial dos pais. (Foto: Istock)
A alimentação infantil é um tema que merece cuidado especial dos pais. (Foto: Istock)

O que não pode falar na alimentação infantil

Uma alimentação balanceada na infância irá garantir as recomendações mínimas dos macronutrientes (proteínas, gorduras e carboidratos) e dos micronutrientes (vitamina e minerais), como: ferro, cálcio, vitaminas do complexo B, magnésio, entre outros tão necessários para o desenvolvimento e crescimento das crianças. Não se pode esquecer de uma boa hidratação, através da água, sucos e chás e das fibras alimentares tão importantes para o bom funcionamento intestinal.

Alimentos essenciais ao crescimento infantil não devem faltar na alimentação de forma alguma e há várias maneiras de fazê-los ingerir sem que perceba. Uma opção é começar a introduzir os legumes e verduras em sopas, sucos, vitaminas, bolos e bolinhos salgados, tortas, cremes (creme de espinafre, purê de cenoura, de mandioquinha, de abóbora), muffins e biscoitos.

Uma dica importante para driblar o gosto destes alimentos é acrescentar sempre um desses vegetais a um outro que a criança goste, para que a estimule a experimentar. Por exemplo: bolo de beterraba com chocolate, creme de espinafre com milho; muffins de abóbora; torta de frango com brócolis, e por aí vai. São infinitas possibilidades.

Alimentos que devem ser evitados na infância:

• Produtos ricos em gorduras saturadas (salgadinhos, frituras, empanados) e açúcares refinados (doces, balas, refrigerantes, bolachas, sucos prontos).
• Em relação ao mel, recentes estudos mostraram a presença da bactéria Clostridium botulinium, causadora do botulismo intestinal, em exemplares do produto. Por isso, só deve oferecer a partir de 2 anos de idade.

Forma de preparo dos alimentos:

Os alimentos devem ser preparados sempre com o mínimo de gorduras (óleo de canola ou coco) e azeite de oliva ao final do cozimento. Ou seja: deve-se optar sempre pelo modo cozidos, assados e grelhados.

Importante lembrar que os legumes e verduras devem ser cozidos ao vapor e ficarem bem al dente, para maior preservação dos nutrientes. Não devem ficar expostos à luz, para evitar a oxidação, principalmente quando já cortados. Manter sempre sob refrigeração os alimentos perecíveis, para evitar risco de contaminação.

Mitos em relação à alimentação infantil

Há quem acredite erroneamente que, para uma criança crescer de forma saudável, deve-s e fazê-la ingerir leites gordurosos ou engrossados com farinhas, papinhas fartas e ricas em açúcar refinado, biscoitos e muitas mamadeiras várias vezes ao dia, sem nenhum controle de quantidade e qualidade. No entanto, criança saudável não é uma aquela que come tudo e sim aquela que possui uma alimentação equilibrada nutricionalmente e quantitativamente.

Dra. Juliana Rossi Di Croce – Nutricionista CRN 40228